PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Autismo e medicação psicotrópica
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Autismo e medicação psicotrópica

Autismo e medicação psicotrópica

01/01/2014
  2837   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Mais uma vez, vamos falar de Transtorno do Espectro Autista (TEA), por ser uma doença cujo diagnóstico e a incidência aumentam no mundo todo.

Em um estudo, 64% das crianças com TEA receberam prescrição com pelo menos uma medicação psicotrópica. Os autores descobriram que 35% das crianças diagnosticadas com autismo receberam, simultaneamente, prescrição para dois ou mais medicamentos que envolvem múltiplas classes de psicotrópicos e com duração mínima de 30 dias, e 15% tinham prescrição de três ou mais classes de drogas.

Combinações comuns de classes de medicamentos incluem:

• Antidepressivos e Déficit de Atenção (medicamentos ADD);

• Medicamentos antipsicóticos e medicamentos ADD;

• Antipsicóticos e antidepressivos;

• Antipsicóticos, antidepressivos e medicamentos ADD.

De acordo com os autores do estudo, alguns médicos que cuidam de crianças com TEA podem não estar cientes da extensão e dos efeitos do consumo de psicofármacos, especialmente em combinação com outras drogas, e isso pode ser uma preocupação particular para essas crianças.

Os autores recomendam que os prestadores de cuidados primários devem acompanhar atentamente a prescrição de medicamentos, os sintomas e a eficácia. Padrões de cuidados também devem ser desenvolvidos para medicação psicotrópica, usadas especificamente em pacientes com autismo.

Em se tratando de fármacos com ação psicotrópica, médicos, pacientes, pais e educadores de pacientes devem ter prudência e calma para o uso dessas medicações e aguardar que o uso seja definitivamente aprovado por meio de estudos clínicos bem feitos e que comprovem a eficácia de tais medicamentos.

Leia também: TDAH: medicar ou não medicar?

Fonte: Psychotropic Medication Use and Polypharmacy in Children With Autism Spectrum Disorders | Pediatrics

Atualizado em 27 de maio de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.