PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como os peixes respiram embaixo d’agua?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como os peixes respiram embaixo d’agua?

Como os peixes respiram embaixo d’agua?

22/01/2015
  6691   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Captura de Tela 2015-01-18 às 21.39.14

De certeza que já quis saber como é que os peixes que vemos no oceano fazem para respirar. Andam debaixo de água, será que engolem a água? Como é que fazem então?


Os peixes que vemos no mar são a maior classe de vertebrados no planeta, e já existem há muitos anos. Na realidade, há 45 milhões de anos! Podemos encontrar peixes em mares, oceanos, rios e lagos. Há peixes de todos os tamanhos. Há peixes com 1 centímetro, mas também há peixes com 18 metros. Como os peixes nadam muito depressa e têm uma cobertura mole conseguiram sobreviver durante muitos anos. O sistema respiratório dos peixes tem: boca; brânquias ou guelras; fenda opercular e opérculos (quase todos os peixes os têm). Agora que já sabe o que os peixes possuem, vamos perceber como respiram!

Os humanos como nós respiram através dos pulmões. Mas isso não acontece com os peixes: estes respiram por aquilo a que se chama brânquias ou guelras. As brânquias ou guelras facilitam aquilo a que se chama respiração aquática. A água entra pela boca do peixe e vai até às guelras. Aí, o sangue recebe oxigênio. Depois, expulsa dióxido de carbono pelos opérculos, que são na realidade os buracos que se encontram em cada lado da cabeça do peixe. Como vê, nunca engolem a água do mar!

No corpo dos peixes há algo que nós também temos, que se chama vasos sanguíneos. Estes vasos vão ajudar o oxigênio a passar para o sangue. Isto é muito importante para todos os seres vivos. Não são só os humanos que precisam de oxigênio, como podes ver. Mas também há peixes que não possuem opérculos, como os tubarões e as raias. No entanto, animais como os crustáceos (caranguejos e camarões) e os moluscos (mexilhões e ostras) também utilizam este tipo de respiração. O que acontece nas brânquias dos peixes é parecido ao que acontece com os pulmões dos humanos: a água que o opérculo deita cá para fora tem menos oxigênio e mais dióxido de carbono do que aquela que entra. O que faz sentido, pois o oxigênio é fundamental para todos os seres vivos, e sem ele, nenhum animal conseguiria sobreviver em boas condições. Temos de cuidar do nosso planeta, para que os seres vivos como nós e os peixes continuem a viver!

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade