PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Os adolescentes podem ter dificuldades para lidar com a Covid-19
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Os adolescentes podem ter dificuldades para lidar com a Covid-19

Os adolescentes podem ter dificuldades para lidar com a Covid-19

17/06/2020
  261   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A quarentena mexe com todos, mas pode interferir mais com os adolescentes e jovens adultos, afinal eles não estão acostumados a lidar com limites, com imposições tão rigorosas e com tanta falta de prazer como a pandemia está impingindo a todos nós.  Num webinar sobre desenvolvimento na infância e o impacto da pandemia, fomos questionados sobre o impacto na adolescência, o que me fez escrever este texto, que é baseado em orientações da Academia Americana de pediatria.

Estresse, medo e incerteza criados pela pandemia da Covid-19 podem desgastar qualquer pessoa, mas os adolescentes podem ter um momento especialmente difícil de lidar emocionalmente agora. Sentir-se deprimido, sem esperança, ansioso ou com raiva durante a pandemia da Covid-19 pode ser um sinal de que um adolescente precisa de mais apoio durante esse período difícil.

A procura de serviço psicológico pode ser importante, neste período as teleconsultas, mesmo de saúde mental pode ser uma solução. Os pediatras podem rastrear a depressão e perguntar a adolescentes e familiares sobre outras preocupações, como ansiedade ou problemas para lidar com o estresse. Para os pais, o Sabará Hospital Infantil recomenda:

  1. Converse com o adolescente, respeitando seu tempo e seu espaço. Se ele não quiser falar, talvez você possa criar empatia falando de seus medos e angustias. Observe os sinais de problemas de saúde mental. Lembre-se de que esses sinais não são os mesmos para todos (veja abaixo os sinais de alerta).
  2. Ofereça privacidade ao adolescente para conversar com o pediatra, se você marcar uma visita para garantir que ele tenha a chance de falar o mais abertamente possível.
  3. Dê o tom da conversa, tentando permanecer positivo e transmitindo mensagens consistentes de que um futuro melhor está por vir. Mantenha as linhas de comunicação abertas.

Os sinais de alerta que um adolescente pode precisar de mais apoio são:

  • Mudanças de humor que não são usuais para o seu filho, como irritabilidade contínua, sentimentos de desesperança ou raiva e conflitos frequentes com amigos e familiares.
  • Mudanças de comportamento, como afastar-se dos relacionamentos pessoais.
  • Falta de interesse em atividades anteriormente apreciadas.
  • Dificuldade em adormecer ou a dormir o tempo todo.
  • Alterações no peso ou nos padrões alimentares, como nunca sentir fome ou comer o tempo todo.
  • Problemas com memória, pensamento ou concentração.
  • Mudanças na aparência, como falta de higiene pessoal básica
  • Um aumento de comportamentos arriscados ou imprudentes, como usar drogas ou álcool.
  • Pensamentos sobre morte ou suicídio, ou falar sobre isso.

Embora nem todo mundo que fala sobre suicídio atue com suas palavras, qualquer conversa sobre suicídio deve ser levada a sério. Se você estiver preocupado, é essencial tornar sua casa segura removendo armas e munições da casa e protegendo os medicamentos em um armário trancado.

A qualquer sinal de alerta você deve procurar seu pediatra ou um serviço médico para uma avaliação.

Saiba mais sobre este assunto:

Sinais de alerta para os pais de adolescentes

Nossa preocupação é com saúde na adolescência e infância no Brasil

Nossa Juventude Perdida: Homicídios de jovens e estupro de meninas, a triste realidade do Brasil

Autoagressão entre jovens deve preocupar

Depressão entre adolescente

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade