11 2155-9358
Institucional Blog Pesquisas CEP FJLES Cursos
Data inicial
Estágio Hospitais Boletins Releases Parcerias
Ícone Data Final
Busca rápida
Busca avançada
Institucional Voluntariado Parcerias Releases Boletins
Data inicial
Núcleos Cursos Estágios Hospitais Blog
Ícone Data final
Busca rápida
Busca avançada
saude-na-adolescencia

A Fundação José Luiz Egydio Setúbal (FJLES) foi instituída em dezembro de 2010 para atuar na adolescência e na infância.

Gostamos sempre de salientar a definição de saúde da OMS que diz: A saúde não é o oposto da doença, é sim o bem-estar do indivíduo nas dimensões biopsicossocial.

Para dar sustentabilidade a esta fundação, o Sabará Hospital Infantil foi doado na instituição da FJLES, o que garante com seu resultado financeiro a perenidade da instituição e também os recursos para que ela possa atuar na melhoria da saúde infanto-juvenil.

Esta ação se dá por meio do Instituto Pensi, que coordena as pesquisas, o ensino e a educação, além de gerenciar os projetos sociais da FJLES.

O Brasil possui uma população de mais de 206 milhões de pessoas, dos quais 58 milhões têm menos de 18 anos de idade (IBGE 2016).

Mais da metade destas crianças e adolescentes são afrodescendentes e um terço dos cerca de 820 mil indígenas do País é criança. São dezenas de milhões de pessoas que possuem direitos e deveres e necessitam de condições para desenvolver com plenitude todo o seu potencial.

Embora o País nos últimos 25 anos tenha feito grandes progressos na saúde em relação à sua população mais jovem, os avanços não são suficientes.

O Brasil tem se destacado por reduzir significativamente a mortalidade infantil (até um ano) e na infância (até cinco anos). Desde 1990, as taxas vêm caindo no País, aliadas ao aumento do atendimento pré-natal e aos investimentos na primeira infância.  Estes avanços, no entanto, não alcançam todos.

No Brasil, meninos e meninas indígenas têm 2,5 vezes mais risco de morrer antes de completar um ano do que as outras crianças brasileiras. A desnutrição infantil é um grave problema entre as populações indígenas, e aparece como uma das principais causas básicas de morte.

Também relacionada à má nutrição está a obesidade. O aumento no consumo de alimentos ultra processados, ricos em gordura, sal e açúcar, com baixos teores de vitaminas, tem comprometido a saúde na adolescência e na infância.

Por fim, quando se fala em saúde, é necessário incluir o tema do HIV/aids e da sífilis congênita. A resposta brasileira ao HIV/aids é reconhecida globalmente como uma das melhores, mas novos casos entre adolescentes e jovens preocupam o País. Há, também, um aumento dos casos de sífilis congênita. Se tratada no pré-natal, a incidência da doença pode ser reduzida.

A violência também é uma chaga para as crianças brasileiras, onde os homicídios de adolescentes: a cada dia, 31 crianças e adolescentes são assassinados no País segundo a UNICEF, quase todos meninos, negros, moradores de favelas.

O Brasil é o país com o maior número absoluto de adolescentes assassinados no mundo. Em 2015, foram mais de 11.400 meninos e meninas de 10 a 19 anos vítimas de homicídios. Desses, 10.500 eram meninos — número maior do que o total de mortes violentas de meninos em países afetados por conflitos, como Síria e Iraque.

De 1990 a 2015, o percentual de crianças com idade escolar obrigatória fora da escola caiu de 20% para 6,5% (Pnad). No entanto, mesmo com tantos avanços, em 2015, quase 3 milhões de crianças ainda estavam fora da escola. E essa exclusão escolar tem rosto e endereço: quem está fora da escola são pobres, negros, indígenas e quilombolas.

Uma parcela tem algum tipo de deficiência. E grande parte vive nas periferias dos grandes centros urbanos, no Semiárido, na Amazônia e na zona rural. Muitos deixam a escola para trabalhar e contribuir com a renda familiar.

O Brasil tem uma das legislações mais avançadas do mundo no que diz respeito à proteção da infância e da adolescência, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). No entanto, é necessário adotar políticas públicas capazes de combater e superar as desigualdades geográficas, sociais e étnicas do País e celebrar a riqueza de sua diversidade.

O Estado Brasileiro não conseguirá fazer isso sozinho e nós acreditamos que a melhoria do país só será possível com a colaboração da sociedade civil organizada (fundações, ONGs e terceiro setor de maneira geral) e o governo. Este é o papel de nossa fundação, que como podemos ver, é bastante desafiador.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Confira mais posts no blog do Hospital Infantil Sabará:

Fonte: https://www.unicef.org/brazil/

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Avatar
Dr. José Luiz Setúbal
Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas