PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Uso abusivo de álcool entre jovens
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Uso abusivo de álcool entre jovens

Uso abusivo de álcool entre jovens

02/08/2017
  787   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Os pais são muito preocupados com o uso de drogas como maconha pelos seus filhos. Em relação às drogas lícitas ou legais como álcool e tabaco eles são bem mais condescendentes.

Um estudo publicado na revista Pediatrics, de junho de 2017,  mostra um declínio geral na taxa de consumo frequente de álcool compulsivo entre os adolescentes dos EUA nos últimos 25 anos.

No entanto, os autores do estudo, também encontraram um motivo de preocupação: a diminuição foi mais lenta da frequência de compulsão alimentar, principalmente entre os adolescentes negros desde 2007, uma diferença de redução por gênero e um crescimento do intervalo baseado no status socioeconômico.

Pesquisadores financiados pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas e o Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo analisaram os dados fornecidos por mais de um milhão de jovens de 1991 a 2015 como parte de uma série contínua de pesquisas nacionais do estudo Monitoring the Future.

Eles encontraram taxas gerais de compulsão frequente (definidas como consumo de 5 ou mais doses de bebidas consecutivas, pelo menos duas vezes nas últimas 2 semanas) diminuídas nos últimos anos entre todas as idades durante a adolescência. Caiu para 2,6% entre os jovens de 13 anos e 14,8% para os de 18 anos, entre 2007-2015. Em comparação com 5% e 20% entre 1991-1998.

O declínio global foi impulsionado por ambos os efeitos do “período”:

1- Tendências de toda a sociedade que afetam jovens de todas as idades que vivem durante um determinado tempo

2- “Coorte” ou efeitos geracionais, com o maior declínio entre os adolescentes nascidos entre 1985 e 1990. Mas, apesar do declínio geral, eles encontraram uma redução mais lenta entre os negros do que os brancos desde 2007, o que eles pensam ser devido aos sinais de desigualdades na melhoria das estatísticas nacionais.

Houve também uma convergência nas taxas frequentes de consumo compulsivo por gênero, devido ao menor declínio entre as mulheres adolescentes em comparação com os homens, disseram, e uma divergência pelo status socioeconômico, devido ao menor declínio entre os jovens de baixa condição socioeconômica.

Uma vez que os adolescentes que frequentemente bebem bebidas alcoólicas têm maiores taxas de lesões e outros problemas de saúde, comportamentos sexuais de risco, desenvolvimento de distúrbios psiquiátricos e de uso de álcool e menores resultados acadêmicos, os autores do estudo disseram que o uso de álcool pelos profissionais de saúde continua sendo extremamente importante.

Como podemos ver o uso e abuso de álcool entre jovens pode ser um problema grave, tanto em países ricos como os EUA, como no Brasil, principalmente entre os homens de baixo nível sócio-economico.

Saiba mais:

 

O Jovem e a bebida alcoolica: https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/o-jovem-e-a-bebida-alcoolica/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/carnaval-alcool-e-energeticos/

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics June 2017, VOLUME 139 / ISSUE 6

  • Frequent Binge Drinking Among US Adolescents, 1991 to 2015

Joy Bohyun Jang, Megan E. Patrick, Katherine M. Keyes, Ava D. Hamilton, John E. Schulenberg

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade