PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Interações positivas da mãe com a criança e seus efeitos de proteção
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Interações positivas da mãe com a criança e seus efeitos de proteção

Interações positivas da mãe com a criança e seus efeitos de proteção

11/03/2022
  398   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Um estudo bem interessante de pediatria mostra que crianças com interações positivas precoces com a mãe, caracterizadas por uma relação calorosa e com capacidade de resposta ao sofrimento, tinham risco reduzido de obesidade na infância.

O estudo, “Family Psychosocial Assets, Child Behavioral Regulation and Obesity”, foi publicado na revista Pediatrics deste mês e identificou os efeitos protetores da parentalidade positiva e outros “ativos psicossociais” – bem como a capacidade das crianças de autorregular o seu comportamento – na primeira infância.

Pouca atenção tem sido dada ao estudo de fatores da primeira infância que protegem contra o desenvolvimento da obesidade e da obesidade grave. Foi investigado se a exposição a bens psicossociais familiares e riscos na infância (1-15 meses) e na primeira infância (24-54 meses) e a regulação comportamental infantil preveem mudança longitudinal no IMC (2 a 15 anos).

Tanto a parentalidade positiva quanto a autorregulação amorteceram os efeitos negativos da adversidade precoce e diminuíram os riscos de obesidade ou obesidade grave dos 2 aos 15 anos. Os pesquisadores analisaram dados de 1.077 díades mãe-filho fornecidos pelo Instituto Nacional de Saúde Infantil e Estudo de Desenvolvimento Humano de Cuidados da Primeira Infância e Desenvolvimento da Juventude. Eles descobriram que a exposição precoce à parentalidade positiva na infância e à regulação do comportamento infantil podem ter efeitos protetores de longo prazo no ganho de peso e ajudar as crianças a atenuar fatores de risco como a pobreza. Dessa forma, esses índices podem ajudar a promover a resiliência da obesidade.

Esse é mais um artigo com bases científicas, que mostra o efeito da parentalidade positiva no combate ao estresse tóxico de ambientes deletérios causados pela pobreza, violência e fome.

Neste ano, a Fundação José Luiz Egydio Setúbal tem como tema de estudo a segurança alimentar, principalmente pela fome causada pela economia e as condições em que vivem as pessoas sem empregos e abaixo da linha pobreza. Vale lembrar que a obesidade é encontrada em cerca de um terço da população pobre do Brasil, o mesmo percentual de desnutridos, por incrível que possa parecer. Assim, programas que fornecem parentalidade positiva podem ser uma das saídas para a proteção da primeira infância nesse momento.

Saiba mais:

Fontes:

Pediatrics ARTICLE| FEBRUARY 07 2022

  • Family Psychosocial Assets, Child Behavioral Regulation, and Obesity

Brandi Y. Rollins, PhD; Lori A. Francis, PhD; Nathaniel R. Riggs, PhD

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.