PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Meningite: bebês são os que mais sofrem
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Meningite: bebês são os que mais sofrem

Meningite: bebês são os que mais sofrem

15/03/2011
  4447   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Com o fim do verão os pais dobram a atenção para um série de doenças ocasionadas na estação mais fria do ano. Uma delas é a meningite, uma inflamação que ocorre nas membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal. Em baixas temperaturas ela aparece mais frequentemente devido às grandes aglomerações de pessoas em locais fechados. A doença ataca mais bebês e crianças entre 1 mês e 2 anos de idade.

Meningites virais são mais comuns, porém menos agressivas que as bacterianas, que podem provocar muitos danos no tecido cerebral. Um caso não tratado corretamente pode deixar sequelas, como uma surdez, explica o especialista Dr. Carlos Takeuchi, neurologista pediátrico.

Saiba mais sobre a meningite

Os principais sintomas da meningite são: dor de cabeça, manchas na pele, mal-estar e febre. Nos bebês, além desses sintomas é muito importante também ficar atento a alguma mudança na moleira, sono excessivo, perda de apetite e irritabilidade. Objetos contaminados, espirros, beijos e tosse são as principais formas de transmissão da doença.

“Existem várias vacinas contra as meningites bacterianas, originadas pelo pneumococo, meningococo e haemophilus influenzae tipo B, mas elas não protegem contra as infecções virais. Essas vacinas estão disponíveis a partir dos 2 meses”, segundo o Dr. Takeuchi.

Leia também: Conscientização sobre a vacina contra Meningite B

Para o diagnóstico, o paciente deve se submeter a um exame em que é colhido um fluído que reveste o sistema nervoso por meio de uma agulha no final da coluna. Através deste material, é diagnosticada a doença, suas causas e qual o tratamento adequado para o paciente.

Atualizado em 15 de janeiro de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • cristina disse:

    meu filho tem 3 anos e na sexta feira levei ao médico e a medica passou uma becetacil pois estava com a garganta inflamada, mas hoje ele estrava com uma febre de 39º dei paracetamol ,dei banho morno e coloquei alcool debaixo do braço,a febre abaixou, porem naõ sei o que pode ser pois a garganta não esta mais inflamada

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Cristina

      O quadro que você descreve parece ser de uma amigdalite bacteriana, pela indicação do uso da penicilina benzatina. Após o início do tratamento com antibiótico, a febre costuma ceder em 48 a 72h. Quando ultrapassado este limite, é prudente uma reavaliação da criança para verificar se está ocorrendo alguma complicação ou algum outro diagnóstico, principalmente se aparecem outros sintomas como prostração, falta de ar, vômitos ou diarréia.

      Abraços

  • karla disse:

    Meu filho de 2 anos está com a vista abatida e sentindo muito sono. Não a presenta febre, mais pede muita água como se tivesse fraco.

  • Leila disse:

    Olá, minha filha tem 10 meses, começou com uma febre de 38° sonolencia hoje cedo, falta de apetite, verifiquei sua glicemia deu 106 MG/DL dei pratium, para a febre qual sintoma preciso observar no caso de meningite

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.