PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Tudo o que você precisa saber sobre a gastrosquise
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Tudo o que você precisa saber sobre a gastrosquise

Tudo o que você precisa saber sobre a gastrosquise

24/01/2023
  1877   
  2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O que é?

A gastrosquise é uma malformação congênita da parede abdominal, associada a saída do intestino do feto para fora por meio de um orifício na parede do abdome. Trata-se de uma doença rara, que ocorre durante o desenvolvimento do feto no útero materno, no primeiro trimestre da gestação, e faz com que o intestino do bebê permaneça exposto ao líquido amniótico durante toda a gestação. Essa exposição causa alterações inflamatórias em graus variados, que podem resultar em complicações graves. O bebê que tem gastrosquise nasce com o intestino para fora da cavidade abdominal e necessita de tratamento logo após o nascimento.

Esse tipo de defeito do fechamento da parede abdominal ocorre em 1 a 5 bebês a cada 10 mil bebês nascidos vivos. Nos últimos 30 anos, a incidência de gastrosquise aumentou 2 a 4 vezes na América do Norte e na Europa, mas o motivo não foi esclarecido até o momento.

A causa da gastrosquise ainda é desconhecida. As principais hipóteses apontam uma relação da ocorrência de gastrosquise à exposição a agentes teratogênicos (medicamentos, substâncias, infecções, doenças e radiações, que estando presentes durante a vida embrionária ou fetal, produzem alteração estrutural ou funcional). Fatores de risco já conhecidos para a ocorrência de gastrosquise são a idade materna jovem e o tabagismo durante a gestação.

Diagnóstico

A gastrosquise é detectada no período pré-natal em, aproximadamente, 90% dos casos, por meio do exame de ultrassom.

A detecção dessa condição ainda no período pré-natal possibilita orientar os pais e definir o plano de parto adequado para receber o bebê em condições especiais, como uma unidade de terapia intensiva neonatal e uma equipe com obstetra, neonatologista e cirurgião pediátrico preparados.

Tratamento

Quando o bebê com gastrosquise nasce, há uma grande preocupação com os cuidados com o seu intestino – que está fora da cavidade abdominal – protegendo-o de lesões, compressões e torções.

O tratamento da gastrosquise é realizado por meio de cirurgia, com o objetivo de corrigir e fechar o orifício da parede abdominal e reinserir as alças intestinais expostas de volta ao abdome do bebê. O procedimento cirúrgico é realizado logo nos primeiros dias de vida, o mais breve possível.

Os bebês com gastrosquise não podem ser amamentados pela via oral logo que nascem. Sua alimentação só pode ser iniciada semanas após a cirurgia nos casos não complicados.

Com o tratamento cirúrgico, a taxa de sobrevivência de bebês que nascem com gastrosquise não complicada é superior a 90%.

Complicações

Aproximadamente 15% dos bebês que nascem com gastrosquise apresentam complicações relacionadas à gravidade da lesão e inflamação das alças intestinais ao nascimento. Nos casos complicados, podem ocorrer infecções graves, síndrome do intestino curto por ressecção ou disfunção de parte significativa do intestino. Além disso, há necessidade prolongada de tratamentos mais invasivos, como ventilação mecânica e nutrição parenteral, maior tempo de internação, e maior risco de morte. Em alguns casos, outras cirurgias podem ser indicadas devido às complicações.

Dra. Nathalia Gioia

Dra. Nathalia Gioia

Médica Pediatra formada na Universidade Federal de São Paulo, com especialização em Gastroenterologia Pediátrica. É pesquisadora e responsável pelos atendimentos clínicos do Centro de Excelência em Nutrição e Dificuldades Alimentares (CENDA) do Instituto PENSI. Também atua no Hospital Infantil Sabará.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Gabriely godoy disse:

    Para mim sempre foi um orgulho ser uma sobrevivente .

  • Camila Henrique Lopes disse:

    Minha bebê tem gastrosquise, estamos no hospital São Paulo sendo atendidas. Eu descobri com 19 semanas no morfológico, mas demorou pra eu ter um atendimento com os especialistas. Só tive atendimento especializado lá pras 27 semanas.

    A gastrosquise da minha filha é uma complexa mas graças a Deus assim que ela nasceu eles conseguiram fechar a abertura e aproveitar todo o intestino dela. Ela não teve aparentemente tanta restrição de crescimento como falaram durante o pré-natal que ela ia ter. Ela ainda não pode tomar leite, esta só na npp.

    Estou a um mês aqui e não tenho previsão de alta. Se você é uma mãe que tem um bebê com gastrosquise fica tranquila, sua bebê tem tratamento. Eu sei que parece que não existe casos assim além do seu bebê mas existe, eu sou um desses casos. Se não te derem uma resposta sobre um hospital que va atender sua bebê que tenha uma uti neonatal vá atrás de deputados até atrás do papa se preciso. Se tiver atendimento só fora da sua cidade que nem no meu caso, procure uma assistente social do ambesp ou o responsável por marcar viagens pra consultas marcar o transporte gratuito.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.