PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Você sabe o que é Food Chaining?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Você sabe o que é Food Chaining?

Você sabe o que é Food Chaining?

28/09/2020
  134   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Food Chaining é uma técnica de introdução de novos alimentos na dieta das crianças criada pelas fonoaudiólogas americanas Cheri Fraker e Laura Walbert. Foi desenvolvida inicialmente para o atendimento de crianças com dificuldades alimentares, porém, alguns dos seus princípios, atualmente, podem ser vistos em consultas nutricionais ou mesmo utilizados pelas famílias para favorecer a aceitação alimentar de qualquer criança.

Introduzir novos alimentos através das experiências anteriores prazerosas e de sucesso das crianças com o alimento é o objetivo principal. Trazer a confiança e a segurança do alimento aceito para o alimento novo é fundamental. Nesse processo, a apresentação do novo alimento deve ser semelhante em sabor, textura, temperatura, forma ou cor dos alimentos que a criança já gosta ou aceita. Parece simples, não?

Seguem algumas dicas de food chaining:

  • Trabalhe apenas um ou dois alimentos de cada vez, assim você evita que a criança se sinta overwhelmed (sobrecarregada).
  • Ofereça o novo alimento junto com o seu par similar, ou seja: ele pode ser oferecido intercalado com o novo, através de pequenas mordidas.
  • Escolha temas: alimentos amarelos, alimentos crocantes, etc. Observe as preferências de cada criança e siga através delas fazendo as aproximações.
  • Comece com pequenos pedaços ou mesmo com atividades como lamber o novo alimento, cheirar, ou misturar se assim a criança preferir, para que aos poucos ela vá percebendo a similaridade e se aproximando gradativamente da nova experiência.
  • Você não precisa fazer isso em toda refeição, escolha apenas uma por dia e siga devagar.
  • Alguns alimentos serão mais difíceis do que outros. Se um alimento é constantemente rejeitado, modifique-o ou deixo-o de lado temporariamente, a criança pode não estar preparada para ele ainda.
  • Alimento aceito, bingo! Ele deverá fazer parte com frequência da alimentação da criança daqui para frente, não o deixe esquecido!

Segue aqui um exemplo para você se inspirar: Batata frita em palito – variar formato para rodelas, ou bolinhas – batata assada em palito – batata, purê de batata, etc.

Formar uma cadeia de alimentos que se pareçam, em algum aspecto, com os que criança já aceita pode ajudar a construir uma ponte entre o novo e o desconhecido com mais facilidade. Tenha em mente que variar o sabor é geralmente mais fácil do que variar a textura, por isso, passe de um para o outro gradativamente.

Leia mais:  Café da manhã em tempos de isolamento 

Claudia Ramos

Claudia Ramos

Fonoaudióloga do Centro de Excelência em Nutrição e Dificuldades Alimentares do Instituto PENSI.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade