PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Aleitamento materno é muito importante para a promoção da saúde
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Aleitamento materno é muito importante para a promoção da saúde

Aleitamento materno é muito importante para a promoção da saúde

22/09/2022
  50   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Academia Americana de Pediatria (AAP) assim com a Academia Europeia de Pediatria (EAP) recomendam o aleitamento materno exclusivo por volta dos primeiros seis meses. As entidades ainda apoiam a amamentação continuada após a introdução de alimentos sólidos, desde que você e seu bebê desejem, por dois anos ou mais. As recomendações de amamentação mais atualizadas estão alinhadas com as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

São muitos os benefícios da amamentação:

  • Melhora a saúde das mães que amamentam e de seus bebês;
  • Pode reduzir os riscos de Síndrome da Morte Súbita Infantil (SMSI) em até 64% e os riscos gerais de morte infantil em até 40%;
  • Pode ajudar a proteger seu bebê de várias doenças como infecções do trato respiratório inferior, diarreia grave ou persistente, asma, eczema, Crohn e colite ulcerativa, obesidade, diabetes tipo 1 e 2, leucemia, cárie dentária e outros problemas que podem exigir ortodontia mais tarde;
  • Estudos também relacionam a amamentação com pontuações mais altas de QI;
  • A nutrição durante os primeiros 1.000 dias do seu bebê é muito importante – e o leite materno é perfeitamente formulado para o desenvolvimento do cérebro e a saúde a longo prazo da criança;
  • Há benefícios contínuos da amamentação além de um ano e até os dois anos, especialmente para a saúde das mães que amamentam. Isso inclui proteção contra diabetes, pressão alta e câncer de mama e ovários;
  • Proporciona calor e proximidade entre pais e filhos. Esse contato físico ajuda a criar laços especiais entre você e seu bebê;
  • Ajuda na prevenção da obesidade;
  • O leite materno é fácil para o bebê digerir;
  • O leite materno não precisa ser preparado. Já está pronto e é gratuito;
  • O leite materno tem todos os nutrientes, calorias e líquidos que seu bebê precisa;
  • Pode liberar hormônios que promovem um comportamento parental saudável;
  • Pode ajudar a devolver o útero ao tamanho anterior à gravidez mais rapidamente;
  • Pode fornecer contracepção se você atender a estas três condições:
  1. Você está amamentando exclusivamente durante o dia e à noite e não está dando nenhum suplemento ao seu bebê;
  2. É dentro de seis meses de nascimento;
  3. Sua menstruação não voltou.

Como aumentar as chances de sucesso na amamentação?

Antes de sair do hospital ou da maternidade, peça ajuda para garantir que seu bebê esteja pegando adequadamente o seio e recebendo leite durante a amamentação. A quantidade de leite que um bebê receberá durante cada tentativa de amamentação é pequena durante o primeiro dia e aumenta no segundo e terceiro dias.

Apoiamos hospitais e centros de saúde com recursos para ajudar os pais que amamentam a ter um bom começo. A amamentação é mais bem-sucedida quando iniciada na primeira hora após o nascimento, juntamente com o contato pele a pele, aconselhamento sobre lactação e amamentação frequente durante os primeiros dias. O apoio especializado à lactação nas maternidades pode ser um grande apoio para os pais que amamentam!

O que as mães que amamentam devem saber ao começar?

Lembre-se que é normal que os bebês lactantes percam algum peso nos primeiros dias. Seu pediatra avaliará se há um problema com perda excessiva de peso. Não se preocupe: o leite materno é tudo o que seu bebê precisa nos primeiros seis meses de vida. O tamanho dos seus seios não tem nada a ver com a quantidade de leite que eles vão produzir.

Lembre-se também de que a dor nos mamilos é comum e precisa ser avaliada pelo seu pediatra. Muitas vezes, técnicas simples para abordar a posição e a trava podem ajudar a resolver sua dor.

Os recém-nascidos devem mamar sempre que mostrarem sinais de fome – aproximadamente de 8 a 12 vezes a cada 24 horas. Cada mãe e bebê são diferentes, então a quantidade de tempo que você amamenta e a frequência com que amamenta também serão diferentes.

Se alimentar bem, tomar muito líquidos e descansar o suficiente são coisas essenciais para a produção de leite. Procurar estar tranquila, em um ambiente calmo também ajuda.

Quem não deve amamentar?

Mães com bebês com condições específicas, como a galactosemia, não devem amamentar. Seu pediatra irá informá-la se isso for um problema.

Mães com HIV também não devem amamentar devido ao risco de passar essa infecção ao filho. Seu médico informará quaisquer outras condições que possam ser problemáticas com a amamentação.

O uso de algumas medicações também pode impedir a amamentação, mas isso será informado pelos médicos e são condições bem raras.

Quais são os desafios que posso enfrentar para alcançar minhas metas de amamentação?

As pressões sociais podem atrapalhar os objetivos da amamentação. Por exemplo: a falta de licença maternidade pode ser um desafio. As mães podem não ter suporte adequado no local de trabalho para bombear e armazenar o leite. Pergunte ao seu pediatra sobre como eles podem apoiá-la em seu local de trabalho. Eles podem ajudá-la a identificar acomodações, bem como identificar a cobertura de seguro para bombas de leite e suprimentos.

Muitos pais enfrentam estigma quando escolhem amamentar, especialmente se amamentam em público ou optam por amamentar crianças mais velhas. No entanto, a amamentação é um direito humano. Pediatras e famílias podem trabalhar juntos para garantir que esse direito seja protegido.

Se você optar por amamentar além do primeiro ano, procure apoio da sua comunidade e do profissional de saúde. Algumas famílias optarão por não amamentar, amamentar por períodos mais curtos ou combinar a amamentação com o uso de fórmula infantil. Seu pediatra pode orientá-la sobre a melhor forma de atingir com segurança seus objetivos e as necessidades nutricionais do seu bebê. Duas mães não compartilham os mesmos objetivos na amamentação. Mas todos os pais merecem apoio imparcial e ajuda na alimentação de seus bebês.

Fontes:

Seção da Academia Americana de Pediatria sobre Aleitamento Materno (Copyright © 2022)

Saiba mais:

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.