PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças Silenciosas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças Silenciosas

Crianças Silenciosas

08/03/2018
  1138   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O curta metragem “Silent Child” ganhou um Oscar na edição de 2018. Não vi o filme que me parece não entrou em circuito comercial no Brasil embora esteja disponível no YouTube.  

 

O tema do filme me suscitou a escrever esta postagem. The Silent Child é um drama em curta-metragem, inglês que conta a história de Libby, uma garota surda de quatro anos que aprende a língua de sinais ajudada por uma assistente social. Por coincidência, o Dia Mundial da Audição, é lembrado em 3 de março.

No Brasil, os surdos só começaram a ter acesso à educação durante o Império, no governo de Dom Pedro II, que criou a primeira escola de educação de meninos surdos, em 1857, no Rio de Janeiro. Contudo, foi somente em 2002, por meio da sanção da Lei n° 10.436, que a Língua Brasileira de Sinais (Libras) foi reconhecida como meio legal de comunicação e expressão no País. São consideradas pessoas com deficiência auditiva A legislação determinou também que deve ser garantido, por parte do poder público em geral e empresas concessionárias de serviços públicos, formas institucionalizadas de apoiar o uso e difusão de Libras como meio de comunicação objetiva.

Como se vê no filme, este é um problema de vários países e que aflige crianças no mundo todo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) apresentou uma campanha para prevenir e advertir dos desafios que devem ser abordados no campo da audição nos próximos 30 anos. Segundo a OMS, 466 milhões de pessoas no mundo sofrem com problemas auditivos hoje em dia – sendo 34 milhões crianças -, enquanto há cinco anos o número total de casos era de 360 milhões. A organização também calculou que em 2030 o número de afetados poderia alcançar os 630 milhões.

De cada 1.000 crianças, uma nasce com problemas de surdez. Dados mundiais indicam que 60% dos casos são causados pela herança genética do bebê. No Brasil, mesmo que a maioria dos casos tenha causas não-genéticas, como rubéola, meningite ou falta de oxigênio no parto, com a melhoria da atenção da saúde materno-infantil a proporção de casos de origem genética tende a aumentar progressivamente. Entretanto, dificilmente a surdez é constatada antes que a criança complete dois anos. Nessa altura, ela já pode ter sofrido prejuízos, causados pela falta de estímulos cerebrais relacionados com a fala, que vão prejudicá-la pelo resto da vida. É consenso entre os médicos que a melhor época para o tratamento ocorre por volta de um ano e meio.

Para ajudar nesse problema, o teste da orelhinha se tornou obrigatório e gratuito no Brasil em 2010, e detecta problemas auditivos nos bebês ainda na maternidade. Isto é fundamental por que é frequente descobrir que uma criança tem algum nível de surdez apenas aos três ou quatro anos de idade, assim o teste reduz enormemente o tempo de detecção, ajudando a prevenir a criança de problemas ligados à linguagem.

Em 2000, o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizado em 5,3 milhões de domicílios e 5.507 municípios, indicavam 1,1 milhão de surdos no Brasil e mais 4,6 milhões de brasileiros com algum tipo de deficiência auditiva. Em 2010 o número subiu para 9,7 milhões com deficiência auditiva onde 344,2 mil são surdos.

Esta também é uma preocupação do Sabará Hospital Infantil, que está montando um centro de audiologia para lidar com crianças que sofrem deficiência auditiva, e que deve abrir em breve.

Saiba mais sobre o assunto:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/teste-da-orelhinha-e-a-surdez-infantil/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/diagnostico-precoce-de-criancas-com-perda-auditiva/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/uso-de-linguagem-gestual-apos-o-implante-coclear-pode-retardar-o-desenvolvimento-verbal/

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte

http://revistapesquisa.fapesp.br/2000/02/01/a-genetica-da-surdez/

https://uniaoazul.wordpress.com/2016/09/06/os-numeros-e-causas-da-surdez-no-brasil/

http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2016/09/apesar-de-avancos-surdos-ainda-enfrentam-barreiras-de-acessibilidade

https://epocanegocios.globo.com/Vida/noticia/2018/03/oms-adverte-que-900-milhoes-de-pessoas-podem-ter-surdez-ate-2050.html

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade