PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A maconha medicinal pode reduzir a náusea e convulsões em pacientes jovens
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A maconha medicinal pode reduzir a náusea e convulsões em pacientes jovens

A maconha medicinal pode reduzir a náusea e convulsões em pacientes jovens

14/11/2017
  588   
  1
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Não gosto do termo “maconha medicinal”, pois ele remete à droga usada ilegalmente no Brasil, mas que é legal em 29 estados americanos e Washington DC. Acredito que o termo “canabióides” devesse ser usado, pois remete ao princípio ativo da planta que não é alucinógeno, e, portanto, haveria menos resistência a seu uso com os benefícios expostos abaixo. Como a ignorância e o preconceito permeiam a vida contemporânea, é um motivo a menos para discussões inacabáveis. Posto essa ressalva:

Uma nova revisão da pesquisa médica “Medical Cannabinoids in Children and Adolescents: A Systematic Review “, publicada na edição de novembro de 2017 da Pediatrics, encontrou evidências de que a maconha pode ser um tratamento eficaz para a quimioterapia – náusea e vômitos induzidos, com evidências crescentes de um benefício para a epilepsia.

Os pesquisadores encontraram 22 estudos relevantes sobre os benefícios médicos dos canabióides para pacientes jovens, incluindo seis estudos sobre o impacto que ele tem em relação a náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia e 11 estudos sobre epilepsia. Eles não encontraram provas suficientes para apoiar o uso de canabióides para tratar espasticidade, dor neuropática, transtorno de estresse pós-traumático ou síndrome de Tourette.

Os pesquisadores concluíram que, embora esses achados sejam encorajadores, são necessárias mais pesquisas para avaliar o papel potencial dos canabióides médicos em crianças e adolescentes, especialmente devido ao aumento da acessibilidade, da legalização em muitos países e potenciais efeitos adversos psiquiátricos e neurocognitivos identificados a partir de estudos de uso recreativo de canabis.

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/maconha-o-que-os-pais-precisam-saber-2/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/legalizacao-da-maconha-uma-discussao-sem-fim/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/maconha-sintetica-tambem-intoxica-jovens/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/sinais-de-alerta-para-os-pais-de-adolescentes/

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics November 2017

Medical Cannabinoids in Children and Adolescents: A Systematic Review

Shane Shucheng Wong, Timothy E. Wilens

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Lídia Etelvina disse:

    Boa tarde meu nome é Lídia Etelvina sou mãe de um rapaz autista clássico que tem 18 anosele tem epilepsia se não tomar o remédio ele dá crise, se acordar antes do tempo dá crise se não dormi direto também da crise mesmo medicado, será que ele melhorava com essa medicação?

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade