PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Mudanças climáticas, poluição por combustíveis fósseis e saúde infantil
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Mudanças climáticas, poluição por combustíveis fósseis e saúde infantil

Mudanças climáticas, poluição por combustíveis fósseis e saúde infantil

27/07/2022
  69   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Vivemos em um país onde o nosso presidente vive negando fatos científicos e fala muita coisa errada para justificar suas ações, principalmente em relação ao clima e à sustentabilidade, fechando os olhos para as queimadas na Amazônia e para as mudanças climáticas.

Qualquer um que leia jornais ou veja TV pode acompanhar as séries de desastres que vem ocorrendo por todo o planeta em termos de clima e de episódios anormais da natureza. Mas como essas queimadas, mudanças climáticas e poluição afetam a vida de nossas crianças? Um artigo bem interessante que saiu no New England em junho tenta explicar isso e trago algumas ideias para vocês.

A combustão de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) é a principal fonte de poluição do ar e das emissões de gases de efeito estufa que impulsionam as mudanças climáticas. O feto, o bebê e a criança são especialmente vulneráveis ​​à exposição à poluição do ar e às mudanças climáticas, que já estão causando um grande impacto na saúde física e mental de todos.

Todas as crianças estão em risco, mas o maior fardo recai sobre aquelas que são social e economicamente desfavorecidas. A proteção da saúde das crianças exige que os profissionais de saúde compreendam os múltiplos danos causados pelas mudanças climáticas e pela poluição do ar e usem as estratégias disponíveis para reduzir esses danos.

Nos últimos anos, em todo o mundo, bilhões de toneladas de dióxido de carbono e mais de 120 milhões de toneladas métricas de metano, os dois principais gases do efeito estufa, foram emitidos anualmente na atmosfera pela produção e queima de combustíveis fósseis para energia e transporte. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas concluiu que são necessárias ações urgentes para limitar o aquecimento global a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais e minimizar as consequências mais catastróficas. Estamos a caminho de atingir esse limite nas próximas duas décadas e, com as atuais políticas climáticas, ter um aumento de temperatura de 2,5 a 2,9°C acima dos níveis pré-industriais até o final do século.

Como dito acima, o feto, o bebê e a criança são especialmente vulneráveis ​​aos impactos ambientais relacionados ao clima e à poluição do ar devido a uma série de fatores biológicos e comportamentais. A velocidade do desenvolvimento durante esses estágios confere alta suscetibilidade à interrupção por produtos químicos tóxicos e outros estressores. Além disso, os mecanismos de defesa biológica para desintoxicar produtos químicos, reparar danos no DNA e fornecer proteção imunológica são imaturos no bebê e na criança, aumentando sua vulnerabilidade ao estresse psicossocial e tóxicos físicos.

Para apoiar seu rápido crescimento, o bebê e a criança têm mais necessidades nutricionais e hídricas do que os adultos e, portanto, uma maior vulnerabilidade a interrupções no abastecimento de alimentos e água. Bebês e crianças respiram mais ar em relação ao seu peso corporal do que os adultos, o que aumenta sua exposição a poluentes, e suas vias aéreas mais estreitas são vulneráveis ​​à constrição pela poluição do ar e alérgenos.

Bebês e crianças são mais vulneráveis ​​do que adultos ao calor intenso por causa de sua função termorreguladora comprometida em temperaturas extremas e sua dependência de cuidados de adultos, que podem desconhecer os riscos, como quando bebês são deixados em carros e morrem por causa do calor. As crianças também passam mais tempo ao ar livre envolvidas em atividades físicas do que os adultos.

Elas são especialmente vulneráveis ​​aos efeitos do deslocamento devido a desastres climáticos: são propensas a lesões físicas e traumas psicológicos como resultado de serem forçadas a deixar suas casas. Finalmente, as crianças têm uma longa vida pela frente, onde doenças precoces, como asma ou problemas de saúde mental, podem persistir, afetando a saúde e o funcionamento na idade adulta.

A mudança climática está associada ao aumento dos riscos de várias doenças transmitidas por vetores em determinadas regiões devido a mudanças na duração da estação de transmissão e na disseminação geográfica dos vetores da doença, como malária, dengue, infecção pelo vírus Zika e doença de Lyme. A distribuição geográfica das espécies de mosquitos transmissores da malária (anopheles) e dengue (aedes) se expandiu por causa das temperaturas mais quentes. O efeito sobre a saúde é maior entre as crianças das regiões tropicais.

A poluição do ar é um gatilho bem conhecido de ataques de asma em crianças com a doença e agora é entendido como uma causa de asma. É também um fator de risco para infecções respiratórias, bronquite e crescimento e função pulmonar prejudicados. Um estudo mostrou que crianças com maior exposição à poluição do ar tinham sintomas de asma mais graves e níveis mais baixos de células T reguladoras – fatores que desempenham um papel crítico no controle de doenças alérgicas como a asma – do que crianças de uma área menos poluída.

A poluição do ar está fortemente associada ao aumento dos riscos de morte infantil e resultados adversos ao nascimento. Em todo o mundo, estima-se que 2 milhões de nascimentos prematuros em 2019 foram atribuídos à exposição à poluição ambiental.

Estratégias eficazes estão disponíveis e estão sendo implementadas em várias partes do mundo para mitigar as mudanças climáticas e reduzir a poluição do ar. Essas estratégias incluem políticas federais, estaduais ou locais que facilitam a mudança de combustíveis fósseis para fontes de energia renovável, aumentando a eficiência energética, aumentando o sequestro natural de carbono e fortalecendo a rede de segurança social. Embora faltem dados de ensaios clínicos randomizados para avaliar o efeito de tais estratégias na saúde das crianças, dados de estudos observacionais e de modelagem indicam benefícios substanciais projetados para a saúde das crianças e economias associadas a algumas estratégias de mitigação e adaptação para mudanças climáticas e poluição do ar.

Os dados são convincentes de que o número de crianças e mulheres grávidas doentes por causa das mudanças climáticas causadas por combustíveis fósseis e da poluição do ar é grande e crescente, afetando a saúde imediata e de longo prazo. As intervenções – que são, em muitos casos, econômicas – existem para abordar as causas das mudanças climáticas e da poluição do ar e as disparidades que elas criaram.

Os profissionais de saúde têm o poder de proteger as crianças que cuidam, por meio de triagem para identificar aquelas com alto risco de consequências associadas à saúde. Eles podem educar essas crianças, suas famílias e outras pessoas sobre os riscos e intervenções eficazes, assim como defender estratégias de mitigação e adaptação.

Fonte:

New England Journal of Medicine – june 2022

Climate Change, Fossil-Fuel Pollution, and Children’s Health

List of authors:  Frederica Perera, Dr.P.H., Ph.D., and Kari Nadeau, M.D., Ph.D.

Saiba mais:

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.