PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Agindo na prevenção da obesidade antes dos dois anos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Agindo na prevenção da obesidade antes dos dois anos

Agindo na prevenção da obesidade antes dos dois anos

08/02/2018
  699   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Nos últimos 30 anos, o Brasil reduziu significativamente a desnutrição infantil, mas ironicamente o problema coexiste hoje com a obesidade. Fenômeno recente de insegurança alimentar e nutricional pode se expressar na população independentemente de sexo, idade, raça ou classe social. Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 15% das crianças com idade entre 5 e 9 anos têm obesidade. Uma em cada três não chegaram ao nível da obesidade, mas estão com peso acima do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde.

A obesidade passou a ser vista como uma epidemia. Em 2010, 17,8% da população brasileira era obesa; em 2014, o índice chegou aos 20%, sendo a maior prevalência entre as mulheres, 22,7%. Outro dado é o aumento do sobrepeso infantil. Estima-se que 7,3% das crianças menores de cinco anos estão acima do peso, sendo as meninas as mais afetadas, com 7,7%.

A maioria dos programas de prevenção da obesidade infantil se concentra em crianças mais velhas, apesar do fato de que mais da metade das crianças com excesso de peso ou obesidade ficaram acima do peso antes dos 2 anos de idade.

Num interessante estudo “A Home Visiting Parenting Program and Child Obesity: A Randomized Trial”, publicado na revista Pediatrics de fevereiro de 2018, mostra que crianças de famílias que receberam uma intervenção de visita domiciliar eram significativamente menos propensas a ser obesas na idade de 2 anos. Um total de 158 mães de primeira viagem que viviam em comunidades clinicamente desatendidas receberam visitas domiciliares por um assistente social e enfermeira pediátrica em um horário de visita recomendado, incluindo visitas semanais que iniciaram no terceiro trimestre da gravidez até o primeiro aniversário da criança e duas semanas durante o segundo ano da criança. Como se vê, algo simples e barato, que pode ser feito por qualquer grupo de saúde da família.

Os pesquisadores mostram que, aos 2 anos, quase 80% das crianças que receberam visitas domiciliares estavam com peso adequado, em comparação com 64% no grupo controle. Eles encontraram 20% de crianças no grupo controle que eram obesas, em comparação com 3% das crianças que receberam as visitas.

Os pesquisadores concluíram que são necessárias mais pesquisas, mas as visitas domiciliares podem ser eficazes na redução das taxas de obesidade em populações em risco. Como nossa Fundação atua em populações carentes na dimensão da nutrição, talvez esta seja uma abordagem para atuarmos.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics January 2018

  • A Home Visiting Parenting Program and Child Obesity: A Randomized Trial

Monica Roosa Ordway, Lois S. Sadler, Margaret L. Holland, Arietta Slade, Nancy Close, Linda C. Mayes

  • https://globo.com/sociedade/saude/sobrepeso-obesidade-em-alta-no-brasil-diz-onu-20819122

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade