PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Bebidas enérgicas entre os jovens
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Bebidas enérgicas entre os jovens

Bebidas enérgicas entre os jovens

01/06/2018
  813   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O mercado brasileiro de bebidas saudáveis cresceu 88,6% nos últimos cinco anos e deve movimentar mais de R$ 27 bilhões (ou US$ 10,6 bilhões) até o final de 2018, segundo a Euromonitor. Bebidas esportivas ou energéticas são agressivamente comercializadas focadas em adolescentes para repor os fluidos e / ou eletrólitos. De acordo com a Academia Americana de Pediatria, a atividade física típica dos adolescentes não requer a reidratação da bebida esportiva.

Dadas às taxas de obesidade nos EUA e que as bebidas esportivas adoçadas com açúcar adicionam calorias supérfluas à dieta, é importante avaliar o consumo de bebidas esportivas adolescentes e as mudanças ao longo do tempo. A proporção de adolescentes que consomem semanalmente bebidas açucaradas esportivas aumentou, e o consumo diário de bebidas esportivas foi mais comum entre os adolescentes que assistiram a duas ou mais horas de televisão por dia, de acordo com um estudo publicado na edição de junho de 2018. Pediatria.

O estudo “Consumo Adolescente de Bebidas Esportivas”, comparou duas amostras nacionalmente representativas de estudantes do ensino médio dos EUA em 2010 e 2015, e encontrou um aumento no consumo semanal de bebidas esportivas durante um período em que o consumo de refrigerante diminuiu. Bebidas esportivas são refrigerantes contendo eletrólitos e carboidratos, muitas vezes aromatizados e adoçados, projetados para restaurar a energia e os fluidos utilizados em práticas esportivas.

A criança média não gasta a quantidade de atividade física que requer o reabastecimento de eletrólitos, e as bebidas esportivas acrescentam calorias desnecessárias às dietas das crianças, afirma o estudo. Os pesquisadores analisaram dados fornecidos por mais de 11 mil entrevistados na Pesquisa Nacional de Atividade Física e Nutricional para Jovens de 2010 e mais 11 mil entrevistados na Pesquisa de Risco e Comportamento para Jovens de 2015. No geral, a porcentagem de estudantes do ensino médio que consumiram qualquer bebida esportiva na semana anterior aumentou de 56% em 2010 para 58% em 2015.

A proporção de adolescentes que bebeu uma ou mais doses de bebidas esportivas por dia diminuiu para 14%, em comparação a 16% em 2010. Mas crianças obesas não apresentaram uma redução no consumo diário e a porcentagem de adolescentes que consomem bebidas esportivas aumentou significativamente que relataram assistir duas ou mais horas de TV diariamente. Além disso, o estudo descobriu que homens, hispânicos e jovens negros eram mais propensos a consumir bebidas esportivas. As associações médicas recomendam que a água seja a melhor escolha para fins de reidratação.

Este ano com a Copa do Mundo possivelmente seremos bombardeados pelas propagandas e pelas imagens de atletas e ídolos de nossos filhos utilizando estas bebidas, cabe-nos como pediatras, pais, avós orientarmos para os riscos de tomar tais bebidas.

Saiba mais sobre este assunto:

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics, May 2018

Adolescent Consumption of Sports Drinks

Kyla Cordrey, Sarah A. Keim, Ruth Milanaik, Andrew Adesman

 

http://cartadenoticias.com.br/2016/07/adolescentes-estao-exagerando-no-consumo-de-bebidas-esportivas/

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para os cuidados médicos e os conselhos do seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade