PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O tratamento do Diabetes
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O tratamento do Diabetes

O tratamento do Diabetes

13/05/2015
  1017   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

diabetes-infantil

Embora o diabetes não tenha cura, os níveis de açúcar no sangue podem ser gerenciados por meio de monitoramento diligente, exercícios físicos, alimentação balanceada e medicação.

Assim que recebem um diagnóstico os pais precisam convencer seu filho que a adesão ao programa de tratamento vai ajudá-lo a contornar não só os efeitos adversos agudos, como açúcar elevado no sangue (hiperglicemia) e cetoacidose, mas também as consequências graves a longo prazo. A cetoacidose pode ocorrer quando não há insulina suficiente para lidar com a glicose que está presente; gorduras e proteínas são utilizadas e há um aumento em metabolitos de ácidos gordos, chamados cetonas, que podem ser detectados no sangue e na urina. A cetoacidose pode ser uma condição com risco de vida que deve ser corrigido imediatamente.

O Diabetes é a sexta doença mais fatal nos Estados Unidos. Níveis altos de açúcar no sangue pode levar a danos nos vasos sanguíneos e mais tarde podem resultar em doenças cardiovasculares, insuficiência renal, problemas de visão retinopatia diabética, falta de sensibilidade (neuropatia diabética) e má circulação sanguínea para parte inferior das pernas.

Por outro lado, os diabéticos que mantêm seus níveis de glicose dentro de uma faixa normal, reduzem significativamente suas chances de desenvolver complicações durante a vida.

Por isso, quando diagnosticamos diabete tipo 1 em crianças, devemos procurar orientação para prevenir que as lesões da vida adulta ocorram ou pelo menos para que apareçam em uma fase bem tardia da vida do paciente.

Todos os adolescentes com diabetes tipo 1 devem aprender a aplicar injeções subcutâneos (no tecido gorduroso sob a pele) de insulina duas, três ou mais vezes por dia.

Já os pacientes com diabetes Tipo 2, devem controlar a doença através de dieta e exercício, e, possivelmente, por medicamentos orais. Embora referidos como “não insulinodependentes”, pessoas com diabetes tipo 2 podem eventualmente necessitar de insulina porque as pílulas usadas para controlar o açúcar no sangue podem vir a perder a sua eficácia em cerca de um terço dos casos.

A administração de insulina deve ser usada com a alimentação, de modo que o hormônio atinja a circulação ao mesmo tempo em que a glicose dos alimentos chega ao sangue. Esta tarefa tem sido um tanto simplificada através da introdução de diferentes tipos de insulina programada para começar a atingir o seu efeito máximo e depois diminuem a vários tempos. A terapia padrão exige duas aplicações por dia. Na abordagem mais agressiva, o paciente auto administra três ou quatro doses de várias insulinas.

A maioria dos jovens dependentes de insulina se tornam bastante experientes em aplicar suas doses. No futuro, muitos estarão usando uma bomba de insulina externa, que administra uma dose contínua do hormônio como se fosse um pâncreas saudável. O dispositivo programável, do tamanho de um pager, pode ficar em um bolso. Um tubo de cateter fino proporciona a insulina no tecido abaixo da superfície da pele.

Praticamente todos os endocrinologistas têm um nutricionista na equipe para aconselhar pacientes adolescentes e seus pais sobre como fazer as alterações necessárias na dieta. As recomendações atuais são para a ingestão de alimentos igual ou inferior a 30% na forma de gordura, de 50 a 60%, como carboidratos e proteína. O adolescente deve verificar com o seu médico e nutricionista para elaborar um plano de refeição específica.

O monitoramento de glicose no sangue é feito por teste sanguíneo simples, realizado várias vezes por dia. Esse exame rápido mede a concentração de açúcar na circulação. Com base nos resultados, que são registrados em um gráfico, a dosagem da droga e / ou dieta pode ser ajustada a fim de ajudar os pacientes a manter o controle de seu nível de glicose no sangue. A maioria dos jovens com diabetes aprendem a fazer a “contagem de carboidratos” na hora das refeições para que possam equilibrar o teor dos alimentos que comem e a quantidade de insulina que devem tomar.

Controlar o diabetes pode ser semelhante a pilotar um navio entre dois icebergs. De um lado seu nível de açúcar no sangue pode subir assustadoramente. De outro você pode estar enfrentando uma situação igualmente perigosa: a deficiência de glicose no sangue, ou hipoglicemia – a complicação aguda mais comum entre os jovens com diabetes. Mesmo os pacientes mais conscienciosos podem vir a ter problemas de hipo ou hiperglicemia.

Ironicamente, a insulina e os medicamentos orais para a doença podem provocar hipoglicemia, que é definida como o nível de açúcar no sangue abaixo de 40 a 50 mg/ml. Estas reações de insulina podem ser graves e, por isso, um endocrinologista deve acompanhar para chegar a uma taxa de açúcar no sangue entre as duas extremidades.

 

Quando os sintomas apontam a alta de açúcar no sangue em uma pessoa com Diabetes:

1.  Se a criança ou adolescente se sente mal, entre em contato com o seu pediatra ou endocrinologista imediatamente para obter instruções. Caso contrário, o primeiro passo é testar o nível de glicose no sangue.

2.  Se a concentração de açúcar no sangue é maior do que o normal, mas menor de 240 mg / ml:

Procurar serviço médico

Beber pelo menos oito copos de água por dia.

Comer de acordo com o programa de tratamento prescrito.

Continue a verificar glicose no sangue quatro vezes por dia até que ele retorne a um nível seguro.

Tome insulina extra de ação rápida.

3.  Se o açúcar no sangue regularmente excede 240 mg / ml, o paciente está em risco de cetoacidose e devem:

Procurar serviço médico

Testar uma amostra de urina para cetonas excesso (cetonúria).

4.  Se a urina testa negativo para cetonas ou contém apenas uma pequena quantidade:

Exames de sangue e urina de repetição.

Beber pelo menos oito copos de água por dia até que a urina é clara de cetonas.

5.  Se os testes de urina derem positivo para cetonas:

Ligar para o seu pediatra ou endocrinologista imediatamente.

Beber muita água.

Não fazer exercícios. Neste estado, a atividade física pode afetar glicose no sangue.

 

Quando sintomas apontam para baixa de açúcar no sangue Hipoglicemia:

1.  Embora geralmente leve, vem de repente. Tal como acontece com a hiperglicemia, o sangue deve ser analisado de uma vez, porque os sintomas de baixa de açúcar no sangue imitam os de outras condições médicas.

2.  Relatar episódios repetidos ao seu médico, pois pode ser necessário ajustar a dose de insulina ou medicação diabetes oral.

3.  Se o açúcar no sangue está abaixo de 60 mg/ml, indicando hipoglicemia, e o adolescente está em alerta, ele deve:

Procurar serviço médico

4.  Comer ou beber um desses amidos rapidamente digeridos, tais como:

Comprimidos de glicose

Suco de laranja

Refrigerantes diet, suco de uva, mel ou açúcar

Se os sintomas não melhorarem depois de 15 minutos, ligue para o pediatra ou endocrinologista para obter instruções. Continuar alimentando o paciente a cada 15 minutos até que o açúcar no sangue suba de volta para, pelo menos, 70 mg/ml.

Uma vez que a criança ou jovem esteja fora de perigo e se sentindo melhor, dar-lhe algo mais substancial para comer.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte Cuidar de sua Adolescente (Copyright © 2003 Academia Americana de Pediatria)

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o atendimento médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade