PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças bilingues
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças bilingues

Crianças bilingues

06/09/2021
  260   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Muitas famílias aqui em São Paulo têm optado por colocar seus filhos em escolas internacionais, onde o ensino é feito em língua estrangeira, e muitos pais me perguntam sobre isso.  Em alguns países, é comum que as crianças aprendam duas ou mais línguas por vez e as usem diariamente para se comunicar e compreender as pessoas ao seu redor – na verdade, algumas crianças crescem em lugares onde quatro ou mais línguas são faladas.

Embora seja importante aprender a língua predominante no país onde você mora, para muitas pessoas também é importante que seus filhos aprendam a língua de seus pais, avós e irmãos mais velhos. Decidir se vai ensinar aos seus filhos uma ou mais línguas depende de você. Você pode pensar que eles precisam “começar de novo” em um novo país e que só precisam aprender a língua dominante. No entanto, existem algumas vantagens em criar filhos bilíngues.

O que significa bilíngue?

Ser bilíngue significa entender e se expressar em duas línguas, e ser capaz de transmitir seus pensamentos com clareza em ambas. Ser plurilíngues significa ter essas habilidades em mais de duas línguas. Quando atendia como pediatra, tinha muitos pacientes estrangeiros e muitos falavam vários idiomas pois os pais tinham morado em vários países.

 Quais são as vantagens de ser bilíngue?

Algumas pesquisas mostram que crianças expostas a várias línguas são mais criativas e melhores no desenvolvimento de habilidades de resolução de problemas. Outros estudos sugerem que falar uma segunda língua, mesmo que apenas nos primeiros anos de vida, ajuda a construir habilidades cognitivas para que a criança tenha mais facilidade em aprender outras línguas no futuro.

Alguns especialistas afirmam que, se pais e filhos não falarem a mesma língua em casa, a comunicação entre eles pode ser prejudicada. Como resultado, os pais podem perder algum controle sobre os filhos e, com o tempo, os filhos podem recorrer a influências negativas, como gangues, para recuperar o sentimento de pertencimento que não sentem mais em casa.

Como posso ajudar meus filhos a serem bilíngues?

Vários métodos podem ajudar as crianças a serem bilíngues. Em cada um deles, é muito importante expor as crianças aos dois idiomas em ambientes diferentes e ajudá-los a compreender o significado de aprender cada idioma.

Duas abordagens são recomendadas:

A abordagem de um pai significa que cada pai fala uma língua diferente em casa durante os primeiros anos de vida de seus filhos. Por exemplo, a mãe pode falar com a criança apenas em português, enquanto o pai pode falar apenas em espanhol ou inglês.

O método da língua minoritária em casa permite que os pais estabeleçam um uso para cada língua. Por exemplo, enquanto as crianças falam apenas espanhol em casa, na escola falam inglês.

Com qualquer método, tente não misturar os idiomas. Ou seja, quando você fala com seu filho em sua língua de herança, não o misture com o português em frases ou sentenças. No entanto, você não deve se surpreender se seu filho misturar palavras dos dois idiomas em uma frase. Quando isso acontecer, corrija-o, fornecendo casualmente a palavra adequada no idioma que você está usando.

Existe uma perda cultural?

Isto é válido para aquelas famílias que pretendem ou já mudaram de país. Parte da sua cultura e alguns laços provavelmente serão perdidos se seu filho for criado em um novo país; no entanto, cabe a você escolher se deseja passar sua herança cultural para seus filhos ou não.

Falar fluentemente um segundo idioma pode levar a benefícios culturais significativos. As crianças que aprendem a língua de sua herança cultural podem se comunicar com seus parentes e fortalecer os laços familiares além das fronteiras. É provável que também estejam dispostos a conhecer a história e as tradições do país de origem de suas famílias. Entender de onde eles vêm ajuda as crianças a desenvolverem identidades fortes e pode ajudá-las a determinar para onde irão no futuro.

Pode atrasar o desenvolvimento da fala?

Em alguns casos, aprender duas línguas ao mesmo tempo pode retardar o desenvolvimento da linguagem em comparação com crianças monolíngues. Os linguistas dizem que as crianças bilíngues podem inverter a ordem das palavras em uma frase, mas, assim como as crianças que falam uma língua, entenderão o que significam. Como observação lateral, a correção deve ser sempre sutil para que a criança não se sinta inibida.

Alguns desafios

Algumas crianças podem não ficar muito animadas com a ideia de falar a língua de seus pais. Por natureza, as crianças querem ser como seus colegas de classe. Por exemplo, se seus amigos falam apenas português, eles também podem querer falar apenas português. Os pais que desejam que seus filhos falem uma segunda língua devem continuar a falá-la em casa, independentemente de quão relutantes seus filhos possam ser.

Criando Filhos Bilingues

Ensinar uma segunda língua para crianças pode ser um desafio. O fato é que a maioria das famílias de imigrantes perde sua língua nativa na terceira geração, mas este não precisa ser o seu caso.

No final das contas, a fluência de seu filho em outro idioma será influenciada por muitos fatores, incluindo motivação pessoal e apoio dos pais. Primeiro, decida o nível que você gostaria que seu filho atingisse em sua língua de herança e, em seguida, pesquise os recursos apropriados, como livros e materiais multimídia, educação formal ou imersão temporária.

Criar filhos para serem bilíngues pode ajudá-los a reconhecer a importância de sua cultura e herança, bem como a desenvolver uma forte identidade pessoal. E pode até ser uma vantagem útil no trabalho, quando forem adultos!

Saiba mais:

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade