PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Três brincadeiras para ajudar no desenvolvimento das crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Três brincadeiras para ajudar no desenvolvimento das crianças

Três brincadeiras para ajudar no desenvolvimento das crianças

12/01/2023
  75   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em um mundo onde as crianças estão conectadas cada vez mais cedo e as brincadeiras parecem terem sido esquecidas, resolvi escrever sobre três coisas que você pode fazer com crianças pequenas sem o uso de celulares, computadores ou tablets. Bem antes de uma criança começar a estudar, ela está ocupada aprendendo sobre o mundo ao seu redor e como se envolver com ele, e uma das maneiras mais importantes de fazer isso é por meio da brincadeira.

A primeira brincadeira é brincar de fingir. Quando as crianças se colocam em situações de fantasia, criam suas próprias histórias e veem as coisas de múltiplas perspectivas. Dessa forma, é menos provável que elas fiquem “presas” em uma única maneira de ver o mundo.

Bebês: os bebês ainda não conseguem fingir, mas podem imitar uma variedade de movimentos de dança, formas de empilhar blocos, fazer carros voarem pela sala ou explorar novos lugares. As rotinas são boas, mas não fique preso em uma rotina repetitiva. Mude um pouco para que seu bebê aprenda a se adaptar a novas imagens, sons, cheiros e pessoas.

Crianças pequenas: elas podem começar a pensar em símbolos (“Este desenho de um cachorro em um livro representa um cachorro na vida real”). Portanto, faça de conta nessa idade: “Esta banana é um telefone! Este bloco é um morango que o seu bichinho de pelúcia quer comer!”. Crianças que pensam rigidamente podem resistir a esse tipo de brincadeira, então tente torná-la divertida.

Pré-escolares: nessa idade, as crianças podem começar a fingir de ser um médico(a), bombeiro(a), príncipe, princesa – vocês escolhem. Elas podem fazer os brinquedos andarem e terem experiências das quais podem ter medo, como ir ao dentista ou o primeiro dia de aula. Quando colocam a mente em um brinquedo ou mudam para a perspectiva de outra pessoa, isso aumenta a flexibilidade. Fingir ser um personagem em um videogame não traz a mesma experiência, porque as crianças não têm a mesma experiência sensorial e social. Tente deixar seu filho(a) ser seu professor(a), salvá-lo de um incêndio ou fazer um exame médico. Você pode ter uma ideia dos pensamentos e sentimentos deles por meio de brincadeiras de faz de conta!

A segunda brincadeira são as atividades de mesa (construção, quebra-cabeças e resolução de problemas) para ajudar os pequenos a praticarem habilidades de concentração.

Bebês: você pode se perguntar: que tipo de capacidade de atenção um bebê tem? Os bebês olham naturalmente para o que seus cuidadores olham – algo chamado de ‘atenção conjunta’. Ao colocar um brinquedo (blocos, copos ou fantoches) em sua linha de visão e, em seguida, falar sobre ele (nomeá-lo, falar sobre cores ou para que serve), os bebês podem começar a aprender tanto a linguagem quanto os conceitos. Se você tem um bebê que fica zumbindo pela sala e parece se concentrar apenas na TV ou no telefone, tente resistir à tentação de fazer disso a única maneira de diminuir o ritmo e prestar atenção. Comece com pequenas brincadeiras compartilhadas todos os dias, e você poderá estender lentamente a atenção dele ao longo do tempo.

Por volta de um ou dois anos de idade, os bebês têm orgulho de fazer coisas com suas habilidades motoras finas aprimoradas. Quebra-cabeças simples, tábuas de trava ou rotinas simples de fingir (como fazer uma refeição de mentira com argila e “alimentar” o bicho de pelúcia favorito) podem manter uma criança focada em uma atividade por 15 minutos ou mais. Você provavelmente precisará ajudar a “estruturá-lo(a)”, dando-lhe dicas sobre o que se pode fazer ou fazer a seguir, ou ainda motivá-lo(a) a tentar algo novo do qual possa se esquivar. Se seu filho(a) é um ‘buscador sensorial’, você terá mais sucesso nas atividades de mesa se der a ele(a) algum movimento (como um trampolim, jogo de perseguição ou luta de cócegas) antes de se sentar para se concentrar.

Crianças em idade pré-escolar: os períodos de atenção começam a se estender por mais tempo aos três ou quatro anos, mas elas ainda precisarão de alguma ajuda dos pais para tentar coisas novas ou permanecer nas tarefas por mais tempo. Nessa idade, você pode tentar projetos de várias etapas (como fazer o jantar e a sobremesa com argila ou massinha!), brincadeiras mais longas (como projetar e brincar em um consultório médico ou sala de aula de mentira) ou quebra-cabeças mais complicados e troca de turnos simples. Assim como as crianças, os buscadores sensoriais nos anos pré-escolares provavelmente precisarão de algum movimento motor antes de se sentar para brincar.

Crianças pequenas: entre cinco e sete anos de idade é quando o lobo frontal e todo o seu controle de atenção e planejamento realmente começam a entrar em ação para a maioria das crianças. Este é o momento perfeito para deixar seu filho(a) planejar o que deseja fazer, talvez até com uma lista de verificação visual das etapas, e executá-lo sozinho(a). Os jogos de tabuleiro são ótimos para essa idade, quando as crianças pensam mais com base em regras e precisam de ajuda para aprender a ser um bom vencedor e um bom perdedor. Artes e ofícios com várias etapas ou que exigem paciência e foco nos detalhes também são uma maneira satisfatória de ver um resultado para todo o trabalho mental que seu filho(a) faz!

Construindo um grande coração em nossos filhos. ​​Mais do que nunca, precisamos criar pequenos humanos que sejam empáticos e carinhosos. O mundo tem muitos problemas complexos acontecendo e precisará de solucionadores que possam ouvir uns aos outros e colaborar. Durante a pandemia, tem sido difícil encontrar oportunidades de socializar com outras crianças, mas há outras coisas que os pais podem fazer para apoiar o desenvolvimento emocional e social.

Bebês/crianças pequenas: como as emoções diferem para bebês e crianças pequenas? Como nós, eles provavelmente sentem que seu corpo muda – a frequência cardíaca aumenta, os músculos ficam tensos, o estômago parece estranho – mas, ao contrário de nós, eles não têm uma linguagem complexa para pensar em suas emoções. No entanto, bebês e crianças pequenas estão sempre absorvendo o que nós, cuidadores, dizemos, por isso vale a pena falar em voz alta sobre emoções de uma maneira que resolva problemas. Você pode dar ao seu filho(a) um vocabulário emocional, rotulando o que você acha que ele(a) está sentindo quando fica chateado(a); fale sobre como você lidará com isso quando algo o(a) frustrar; e se pergunte em voz alta sobre como as outras pessoas estão se sentindo. Quanto mais as crianças pequenas se sentirem compreendidas pelos adultos, mais serão capazes de entender as outras pessoas – e isso é empatia!

Pré-escolares: as crianças adoram bichos de pelúcia, e seu relacionamento com um amigo de pelúcia favorito pode desempenhar muitos papéis. Eles os imbuem de pensamentos, sentimentos e personalidades mágicas – então, às vezes, pergunte a seu filho(a) sobre suas pelúcias favoritas. Imagine o que os animais estão pensando durante uma visita de mentira ao dentista ou conhecendo novas pessoas (por exemplo, quando um novo brinquedo entra em casa!). Você pode fazer o mesmo tipo de questionamento sobre as perspectivas dos outros quando seus pré-escolares começam a lhe contar sobre os amigos que estão fazendo na escola: Qual é a comida, brinquedo ou programa de TV favorito deles? Qual é o lugar favorito para viajar? Qual é a sensação de ter diferentes tipos de cabelo ou tons de pele? Algumas crianças podem não fazer naturalmente esse tipo de questionamento (elas podem ser muito egocêntricas, e isso é normal), então isso ajuda a inspirar pensamentos empáticos.

Crianças pequenas: no jardim de infância e além, as crianças podem começar a pensar mais sobre conceitos como bondade, regras e boas maneiras, bem como diferenças entre gênero, raça, cultura e habilidades. Ler livros ou assistir a filmes sobre diferentes experiências é uma ótima maneira de se perguntar como é a vida de outras pessoas. Uma atividade que você pode tentar é conversar com seu filho(a) sobre todas as coisas em que ele(a) é bom e o que é difícil para ele(a) – e faça isso para todos na família. Isso pode ajudar a compreender o fato de que todos nós temos diferentes tipos de mente, e está tudo bem.

Fonte:

Adaptado de Melissa& Doug: our Blog

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/por-que-e-importante-para-as-criancas-brincar-ao-ar-livre/

https://institutopensi.org.br/brincar-de-medico/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/por-que-os-medicos-devem-prescrever-o-brincar/

https://institutopensi.org.br/o-brincar-como-esperanca/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/jogos-classicos-para-brincar-com-seu-filho-2/

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.