PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Escorpiões estão por aí…
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Escorpiões estão por aí…

Escorpiões estão por aí…

03/12/2015
  602   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

700-child-girl-sad-tired-bored-kid-children

A notícia da morte de uma criança picada por um escorpião amarelo no interior de São Paulo chocou as pessoas, mas está longe de ser um fato isolado.

De acordo com o estudo do Laboratório de Artrópodes do Instituto Butantã, são registradas mais de 13 mil ocorrências de picadas de escorpião nos últimos dois anos nas regiões urbanas do Estado de São Paulo, sendo que 10 mil ocorreram apenas na capital paulista.

O acúmulo de lixo em moradias, entulhos em terrenos baldios, velhas construções, pilhas de madeira, tijolos e caixas de luz são os locais que lideram o índice de concentração de escorpiões que fazem desses lugares seus esconderijos.

A dor causada pela picada do escorpião tem início imediato e a intensidade é variável conforme a evolução do veneno. Em crianças, as manifestações do efeito da picada podem ser mais graves e acarretam quadros de náuseas e vômitos, alteração na pressão sanguínea, agitação e falta de ar.

Quando isso acontece, o recomendado é lavar o local da picada com água e sabão e fazer compressas mornas que ajudam a aliviar a dor. Segundo o site do Ministério da Saúde, não é recomendado fazer o torniquete (ou garrote), furar, cortar, queimar, espremer e fazer sucção na ferida. Lembre-se de levar o paciente ao médico assim que o acidente acontecer.

Os principais causadores das picadas em centros urbanos são os escorpiões-amarelos e marrons. Eles são caracterizados pela fácil adaptação em ambientes sem saneamento básico e com acúmulo de lixo. Além disso, o desmatamento e o crescimento desordenado das áreas urbanas favorecem os ataques, uma vez que os animais ficam desabrigados e buscam alimentos dentro das residências.

  1. As dicas de prevenção para não sofrer picadas de escorpião são:
  2. Usar calçados e luvas nas atividades rurais e de jardinagem;
  3. Examinar calçados e roupas pessoais de cama e banho, antes de usá-las;
  4. Não acumular lixo orgânico, entulhos e materiais de construção;
  5. Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros e rodapés; utilizar telas, vedantes ou sacos de areia em portas, janelas e ralos; manter limpos os locais próximos das residências, jardins, quintais, paióis e celeiros; combater a proliferação de insetos, principalmente baratas e cupins;
  6. Preservar predadores naturais como seriemas, corujas, sapos, lagartixas e galinhas; limpar terrenos baldios pelo menos na faixa de um a dois metros junto ao muro ou cercas.

Saiba mais sobre o assunto:

Picadas de escorpião

Por Dr. José Luiz Setúbal. 

Fontes: Estadão: Menino picado por escorpião é sepultado com o pai e Unesp: Escorpião, sinais e sintomas

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Débora Vieira disse:

    Gostaria de saber se a picada de escorpião é fatal em criança, se somente causa a dor intensa? Qual o verdadeiro risco, visto que muito se fala na picada do escorpião em crianças? O que fazer se isto acontecer tanto em criança com em adulto?

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade