PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Por que evitar TV para bebês e crianças pequenas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Por que evitar TV para bebês e crianças pequenas

Por que evitar TV para bebês e crianças pequenas

08/06/2017
  53611   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Os pais muitas vezes ficam chocados quando lhes digo que as sociedades de pediatras acham que é ruim para as crianças assistirem à TV ou usar aplicativos móveis antes dos 18 meses, porque a maioria das crianças já tem esse hábito. Pesquisas nos dizem que 92,2% das crianças de 1 ano já usaram um dispositivo móvel, alguns começando com apenas 4 meses de idade.

Eu ouço um monte de pais dizerem: “Mas meu bebê gosta!” Os bebês podem olhar para as cores brilhantes e movimento em uma tela, mas seus cérebros são incapazes de entender o sentido ou significado de todas essas imagens bizarras. Leva cerca de 18 meses para o cérebro de um bebê desenvolver-se ao ponto dos símbolos representarem seus equivalentes no mundo real.

O que os bebês e as crianças precisam aprender é a interação com as pessoas ao seu redor. Isso não significa que eles não deveriam conversar em vídeo com um avô distante ou um pai que está viajando, mas quando se trata de aprendizado cotidiano eles precisam tocar as coisas, agitá-las, jogá-las e, acima de tudo, ver os rostos e ouvir as vozes daqueles que mais amam. Aplicativos podem ensinar as crianças a tocar e brincar em uma tela, mas os estudos nos dizem que essas habilidades não se traduzem em aprendizagem do mundo real.

Tão certo, os bebês e as crianças não iniciam qualquer enquanto prestam atenção à tevê, mas se parecem gostar, onde está o dano? Se um pouco de TV é o que é preciso para você ter o jantar na mesa, não é melhor para eles do que, digamos, morrer de fome? Sim, assistir TV é melhor do que passar fome, mas é pior do que não assistir TV. Boa evidência sugere que a visualização da tela antes dos 18 meses de idade tem efeitos negativos duradouros sobre o desenvolvimento da linguagem das crianças, habilidades de leitura e memória de curto prazo. Ele também contribui para problemas com sono e atenção.

O problema não reside apenas no que as crianças estão fazendo enquanto estão assistindo TV e, sim no que eles não estão fazendo. Especificamente, as crianças são programadas para aprender com a interação com outras pessoas. A dança de expressões faciais, tom de voz e linguagem corporal entre uma criança e um pai não é apenas bonita, é tão complexo que os pesquisadores têm que gravar essas interações em vídeo e retardá-los apenas para ver tudo o que está acontecendo. Sempre que criança ou pai, estão assistindo TV, a troca para.

Um pré-escolar aprende muito mais ao bater panelas no chão enquanto você cozinha o jantar do que ele faz de assistir a uma tela para a mesma quantidade de tempo, porque de vez em quando os dois possam olhar uns para os outros.

Basta ter a TV no fundo, mesmo que “ninguém esteja assistindo”, é o suficiente para atrasar o desenvolvimento da linguagem. Normalmente, um pai fala cerca de 940 palavras por hora quando uma criança está por perto. Com a televisão ligada, esse número cai em 770! Menos palavras significa menos aprendizado.

Pré-escolares também estão aprendendo a prestar atenção por períodos prolongados, e crianças que assistem mais TV são mais propensas a ter problemas de atenção aos 7 anos. A programação de vídeo está em constante mudança e quase nunca força uma criança a lidar com nada mais tedioso que um comercial.

Após a idade, duas coisas mudam, pelo menos um pouco. Durante a pré-escola algumas crianças aprendem habilidades da TV educacional. Programas bem projetados podem ensinar alfabetização de crianças, matemática, ciência, resolução de problemas e comportamento social. As crianças aproveitam mais os programas interativos como “Dora the Explorer” e “Sesame Street” quando respondem às perguntas dos personagens. TV educacional faz a maior diferença para as crianças cujas casas são os menos estimulante intelectualmente.

Naturalmente, as crianças aprendem mais quando assistem à TV ou usam aplicativos com os pais. O conteúdo é muito importante. Todos os programas educam crianças sobre algo, mas ficar com aqueles que são projetados para ensinar as crianças coisas que eles realmente devem saber como linguagem e matemática.

Independentemente do conteúdo, limite o tempo de entretenimento eletrônico do seu filho a uma hora por dia, dos 18 meses até a idade de cinco anos. Lembre-se, também, TV ainda é TV se você realmente vê-lo em uma tela de TV ou em um telefone celular ou computador.

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/?s=telas

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: baseado em David L. Hill, MD, FAAP

Academia Americana de Pediatria (Copyright © 2016)

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade