PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Lidando com a autoimagem dos jovens e adolescentes
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Lidando com a autoimagem dos jovens e adolescentes

Lidando com a autoimagem dos jovens e adolescentes

10/01/2023
  84   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em um mundo onde a aparência ganha cada vez mais importância e os estereótipos de beleza estão cada vez mais marcados como padrões, os jovens e adolescentes estão cada vez mais suscetíveis a ter problemas emocionais com isso.

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde Infantil do CS Mott Children’s Hospital na Universidade de Michigan Health, quase dois terços dos pais dizem que seus filhos são inseguros sobre algum aspecto de sua aparência e um em cada cinco diz que seus adolescentes evitam situações como estar em fotos. O estudo, publicado neste final de ano, foi baseado em respostas de 1.653 pais com, pelo menos, um filho de 08 a 18 anos.

As crianças começam a formar opiniões sobre seus corpos e aparência em uma idade muito jovem e essas descobertas reforçam a pesquisa de que, à medida que as crianças recebem mensagens prejudiciais sobre os ideais sociais, isso pode levar a uma autoimagem ruim de si mesmas. Se não for controlada, a preocupação com a aparência e a insatisfação corporal podem levar à diminuição da saúde mental e do bem-estar emocional, e aumentar os riscos de distúrbios alimentares, depressão e baixa autoestima.

Peso, problemas de pele como acne e cabelo foram as causas mais comuns de insegurança, mas menos pais listaram altura e características faciais. Quase um em cada cinco pais de meninas também disse que suas filhas tinham vergonha de seus seios.

Os pais de adolescentes também são mais propensos do que os pais de crianças menores de 08 a 12 anos de relatar que seus filhos são inseguros sobre sua aparência (73% das meninas adolescentes e 69% dos meninos adolescentes, em comparação com 57% das meninas mais novas e 49% dos meninos mais novos).

É normal em termos de desenvolvimento que adolescentes experimentem algumas inseguranças, mas se isso estiver interferindo em sua capacidade de desfrutar de interações sociais ou outras atividades, eles podem precisar de ajuda.

Entre os pais que dizem que seus filhos são constrangidos com sua aparência, quase um em cada três sente que isso tem um impacto negativo na autoestima de seus filhos, enquanto um em cada cinco diz que afeta a vontade de seus filhos de participar de certas atividades. Outros pais, principalmente os de adolescentes, também dizem que o filho evita sair em fotos, tenta esconder a aparência com roupas ou restringe a alimentação por insegurança.

Às vezes, pensamentos negativos também são reforçados por outras pessoas, revela a pesquisa. Um em cada três pais diz que seu filho foi maltratado por causa de sua aparência, na maioria das vezes por outras crianças, estranhos ou membros da família. A resposta mais comum dos pais é conversar com seus filhos sobre o incidente. Com menor frequência, eles mantêm seus filhos longe da pessoa que faz declarações ofensivas ou falam com a pessoa que fez os comentários.

No geral, os pais entrevistados acham que as interações pessoais têm um impacto maior do que a mídia social na visão que seus filhos têm de si mesmos. No entanto, os pais que descrevem seus filhos como autoconscientes sobre sua aparência têm duas vezes mais chances de dizer que seus filhos são mais afetados pelas mídias sociais.

Os problemas mais comuns relatados foram:

  1. acne/pele 32%,
  2. peso 31%,
  3. cabelo 27%,
  4. dentes 18%,
  5. altura 17%,
  6. características faciais 12%

Para ajudar seu filho(a) ou jovens em geral, propomos cinco ações:

Seja um modelo de amor-próprio: se um pai está sempre se criticando ou fazendo comentários negativos sobre sua aparência, eles podem esperar que os filhos sigam o exemplo. As crianças estão observando toda vez que você sobe na balança e suspira sobre a necessidade de perder peso ou aponta suas próprias falhas percebidas no espelho. Lidere pelo exemplo para ensinar-lhes amor próprio e respeito. Concentre-se menos na aparência e, em vez disso, expresse apreço por todas as coisas poderosas que seu corpo pode fazer, como ajudá-lo a se sentir bem por meio de caminhadas, passeios de bicicleta ou natação.

Abrace a diversidade corporal: se você ouvir seu filho comentar sobre o tamanho ou a aparência de alguém, seja alguém que ele conhece, em um programa de TV ou um estranho, ensine-o que as pessoas têm tamanhos e formas diferentes e têm características diferentes. Nenhum deles é ruim, apenas diferentes. Para crianças mais novas, procure livros infantis que celebrem a diversidade corporal e a positividade e leiam juntos.

Evite até mesmo elogios “positivos” à aparência, especialmente com meninas. Os adultos tendem a fazer comentários bem-intencionados elogiando as crianças por sua beleza. Evite os elogios “positivos” à aparência, em vez disso, os adultos devem se concentrar nas qualidades pessoais de uma criança, não em seu corpo, cabelo, rosto ou roupas.

Promova a conexão familiar por meio de atividades saudáveis: as famílias devem se conectar por meio de movimentos divertidos e alimentação saudável porque gostam, não porque “precisam” ou porque alguém está fazendo dieta. Isso promove hábitos saudáveis, ​​com foco na nutrição e exercícios para fazer seu corpo se sentir bem, não na aparência.

Ensine-os a avaliar criticamente a mídia: as crianças estão cercadas por ideais irrealistas. Modelos em revistas e atores em seus programas de TV e filmes favoritos geralmente têm formas corporais semelhantes que promovem a magreza. Influenciadores, celebridades e até colegas costumam usar filtros e edição para aprimorar imagens. Incentive seus filhos a criticar o que veem na TV ou nas redes sociais e ajude-os a entender como certas imagens são “aperfeiçoadas”. Os pais podem ensinar seus filhos a serem experientes na mídia, para que entendam que essas representações do corpo, rosto e aparência perfeita em anúncios não refletem a realidade. Se necessário, limite o tempo nesses tipos de canais.

Ao estabelecer uma base sólida de atitudes saudáveis, os pais podem ajudar seus filhos a desenvolverem uma imagem corporal positiva durante a juventude e a idade adulta.

Fonte:

https://healthblog.uofmhealth.org/childrens-health/fighting-negative-body-image-issues-kids-and-teens

Saiba mais:

 

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.