PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O que muda na alimentação da família no período de isolamento social?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O que muda na alimentação da família no período de isolamento social?

O que muda na alimentação da família no período de isolamento social?

20/04/2020
  1614   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em geral, as famílias das grandes cidades vivem um cotidiano acelerado e consequentemente com pouco tempo para se dedicar às refeições em família e prepararem uma comida mais fresca e caseira. Por isso, muitas refeições durante a semana são realizadas na escola, no trabalho ou em restaurantes de acordo com a rotina de cada um. Como toda regra pode ter sua exceção, o tempo atual, de isolamento social, é totalmente atípico e isso está exigindo novas habilidades dos pais e também das crianças para enfrentar esta crise, principalmente, em relação à alimentação.

Pais e mães trabalhando direto em casa, comércios fechados e todo esforço dedicado em não circular e colaborar para o controle da pandemia. Com isso as crianças também estão sem horário de entrada e saída da escola e sem sinal para a hora do recreio. Diante disso, questões podem surgir: como contornar toda essa situação de isolamento social sem descuidar da alimentação? Como passar dias trabalhando e estudando dentro de casa e ainda acumulando toda carga estressante que uma situação pandêmica impõe e cuidar da alimentação da família?

Abaixo, preparamos algumas orientações principais para ajudar a passar por este período de isolamento social sem descuidar da alimentação da família e, principalmente das crianças. Afinal, a alimentação saudável contribui para a manutenção do sistema imunológico.

Primeiro de tudo faça uma roda de conversa com as crianças de todas as faixas etárias. É importantíssimo que eles saibam com muita calma e otimismo que o mundo está passando por um tempo diferente e que a colaboração deles também é fundamental.

  • Separe papéis em branco e peça a participação deles para montarem uma rotina diária incluindo principalmente um cardápio. Neste papel escrevam os alimentos que terão no café da manhã incluindo pães / cereais, leite ou derivados e frutas. Escrevam também o cardápio do almoço e do jantar.
  • A participação das crianças na construção deste cardápio vai aumentar a adesão e aceitação por novos alimentos. Neste cenário, o papel dos adultos é direcionar a criança para o grupo alimentar que você acha importante e deixar que ela possa escolher o alimento: O pai pode perguntar qual o tipo de feijão eles irão comer às terças-feiras e as crianças podem escolher entre lentilha, feijão preto, grão de bico, feijão carioca, etc. Isso pode ser realizado com todos os grupos alimentares.
  • Nas pequenas refeições entre almoço e jantar ou mesmo os beliscos, a orientação é incluir a fruta. Frutas variadas, inteiras ou picadas, salada de fruta ou até no palito. O que vale é a fruta no prato. A criança neste caso também pode decidir de que forma ela quer saborear o alimento.
  • Em casa abrindo a geladeira a qualquer momento, há maior chance das crianças beberem tudo o que não é água. Mas a principal bebida ao longo dos dias deve ser a água. A hidratação é importantíssima e às vezes esquecida pelas crianças.

Com a restrição de saída de casa, é importante programar também as compras de mercado, evitando saídas desnecessárias. Para isso, programe uma lista de compras com alimentos que ficam mais tempo na prateleira. Seguem alguns grupos com maior durabilidade:

Cereais e derivados
Cereais do tipo cornflakes, muesli ou aveia, torradas e para o almoço e jantar invista em arroz, massa ou batata.

Laticínios
Leite em pó (pode ser estocado e pode ser utilizado por porção), iogurtes e queijos diversos (em peça o queijo tem maior durabilidade).

Carnes, frango e pescados
Peças e cortes congelados podem ser armazenados no freezer por pelo menos três meses. A dica é congelar a porção que você vai utilizar e descongelar um dia antes do uso.

Ovos
Muito prático e versátil na cozinha os ovos podem ser conservados por semanas e utilizados de várias formas sozinhos ou em receitas.

Leguminosas
Leguminosas duram meses, e podem variar entre feijão, grão de bico, ervilhas e lentilhas.

Gorduras e óleos
Azeite e manteiga que já está acostumado a consumir.
* As quantidades devem ser ajustadas em função do número de pessoas da família

Vegetais (com maior durabilidade):
Cenoura, cebola, abóbora, brócolis, couve-flor e vegetais congelados (mediante capacidade do congelador).
Todos vegetais com folhas, como agrião, alface, tomate, rúcula, podem e devem ser ainda mais priorizados neste momento.

Frutas com maior durabilidade (principalmente dentro da geladeira)
Maçã, pera, laranja, tangerina. As demais frutas como banana, kiwi, ameixa, abacaxi e manga também devem fazer parte da alimentação da família.

Saiba mais:

Como proteger sua família do coronavírus

Conversando com crianças sobre o COVID-19

Coronavírus: lidando com o fechamento das escolas

Brincadeiras para fazer em casa com as crianças

O que fazer com meu filho doente em tempos de Coronavírus?

9 dicas de como cuidar de alguém com o COVID-19

Priscila Maximino

Priscila Maximino

Nutricionista do Núcleo de Nutrologia e Metabolismo do Instituto PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade