PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Uma sociedade saudável começa por uma infância saudável
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Uma sociedade saudável começa por uma infância saudável

Uma sociedade saudável começa por uma infância saudável

08/10/2022
  132   
  2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em conferência magna sobre filantropia, o dr. José Luiz Egydio Setúbal falou de um Brasil que pode dar certo em meio aos desafios que também são alvos prioritários da FJLES: a insegurança alimentar, a imunização e a saúde mental. 

“Fui pediatra e hoje me chamam de filantropo. É sempre um prazer falar de filantropia na saúde e na ciência voltada para crianças.” Assim o dr. José Luiz Egydio Setúbal abriu a conferência magna do terceiro dia (8/10) do 6º Congresso Internacional Sabará-PENSI de Saúde Infantil. Para falar de filantropia ninguém melhor do que o fundador da Fundação José Luiz Egydio Setúbal. O termo significa amor ao ser humano ou à humanidade, e uma das características pelas quais o médico e presidente da fundação é conhecido é a sua generosidade.

A filantropia é uma ação necessária para equilibrar a economia e reduzir desigualdades sociais. Não à toa, a apresentação de Setúbal alternava grandes desafios do nosso país com exemplos de onde o Brasil dá certo, sempre olhando para o futuro com esperança. “Segundo os dados do World Giving Index (WGI) de 2022, que é um indicador de bondade no mundo, o Brasil galgou muitas posições, subindo para 18º lugar; antes figurava na 54ª posição e vem crescendo pelo quarto ano consecutivo”, observou o filantropo. Pelas informações do GIFE, o Grupo de Institutos, Fundações e Empresas, as doações empresariais só caíram de 2008 até o momento atual, pois o Brasil está estagnado economicamente.

Foi proposital o destaque para o artigo 227 da Constituição Federal de 1988, que fala que “é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”. Setúbal destaca que o Estado brasileiro ainda está muito longe de fazer tudo isso. Por esse motivo, a FJLES lidera o grupo de saúde da Agenda 227, um movimento iniciado há dois anos que reúne mais de 150 organizações, coalizões e movimentos sociais e se baseia no Estatuto da Criança e do Adolescente, no Marco Legal da Primeira Infância e nas metas previstas nos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável). Divididos em 22 grupos de trabalho, os participantes escreveram 137 propostas, identificando problemas e apontando soluções, para serem entregues aos presidenciáveis. “Nós, da FJLES, elaboramos dez propostas de saúde e seis de nutrição, todas muito factíveis, como o incentivo ao aleitamento materno e ao pré-natal, que são básicos e simples, mas não são feitos adequadamente.”

Setúbal explicou que desde 2018 a fundação trabalha no advocacy (defesa) de três temas prioritários: insegurança alimentar, imunização e saúde mental. A primeira questão só piorou, pois conforme o relatório II VIGISAN, de 2022, mais da metade dos domicílios (59%) brasileiros vivem com algum grau de insegurança alimentar. O percentual de residências com crianças abaixo de 10 anos com insegurança alimentar grave dobrou depois da pandemia, de 9,4% para 18%, e em lares com três ou mais pessoas com até 18 anos o número sobe para 26%.

“Segurança alimentar de crianças e adolescentes é um dos focos da fundação para esta década. Mas a fome em crianças é urgente. Líderes empresariais, políticos e a sociedade devem desempenhar um papel central para ajudar a fazer os investimentos e os esforços para erradicar a fome na infância”, ressalta o presidente da FJLES. As crianças que passam fome na primeira infância têm deficiências pelo resto da vida. “E como já temos cinco anos de fome e a expectativa é de outros cinco, vamos criar uma geração de cidadãos que passaram por privação alimentar e desnutrição, ou seja, já chegarão à idade adulta em desvantagem.”

Para compensar, o presidente da FJLES apresentou projetos que são a cara do Brasil que dá certo: os criados por Saulo Barreto, do Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI) (www.ipti.org.br), em Santa Luzia do Itanhy, no sul de Sergipe, que aliam reforço alimentar, saúde e educação; a parceria da fundação com o UNICEF, para a busca ativa vacinal na região amazônica e no semiárido, em que alguns municípios saíram de 20% para 90% de cobertura vacinal; e o apoio à Pastoral da Criança, que atua acompanhando 360 mil crianças e mais de 18 mil gestantes e suas famílias.

Por fim, Setúbal lembrou dos bilhões doados por milionários como Jack Ma, fundador do Ali Baba, e por Bill e Melinda Gates, da Fundação BMGF, em favor da ciência, em nível internacional. E mostrou que também existem exemplos de apoio à ciência no Brasil, como o Instituto Serrapilheira, o ID´Or e o próprio Instituto PENSI, que também fizeram doações durante a pandemia. A ideia do presidente da FJLES é procurar e encontrar o Brasil que dá certo, em que não seja mais preciso ver imagens como a de um menino procurando comida em um lixão.

Ele concluiu ressaltando que a filantropia é um dos valores da FJLES. “A filantropia e o terceiro setor não resolverão os problemas sociais ou da ciência no Brasil, mas, juntamente com uma sociedade civil forte, com uma estrutura institucional igualmente forte — e isso está em risco nas próximas eleições —, poderão ser parte da solução. Um país melhor inicia com uma sociedade saudável, e para isso acreditamos que devemos começar por uma infância saudável.”

Por Rede Galápagos

Foto: Agliberto Lima

 

Leia mais:

CONGRESSO – Os destaques do terceiro dia

Cintia Tavares Cruz – Uma jornada de cuidados pela qualidade de vida no hospital

Ajustar o foco para reconhecer emoções

CONGRESSO — Os destaques do segundo dia

O Brasil tem cientistas talentosos e indústria para criar e produzir vacinas

Leite e trigo não são vilões, mas exigem cuidados para determinados organismos

Maria Paula Coelho — Mais qualidade de vida para crianças com insuficiência intestinal

CONGRESSO — Os destaques do primeiro dia

O meio ambiente e o comportamento na cidade são desafios para a pediatria

MARCO AURÉLIO SÁFADI — A infectologia no foco do pediatra

Telemedicina: quais os riscos legais aos médicos

[ENTREVISTA] Sempre em frente — Antonio Condino Neto

SUE ANN COSTA CLEMENS — Liderança e reconhecimento na corrida pela vacina

CARLOS RODRIGUEZ MARTINEZ — Doenças respiratórias no centro da investigação

GISELLE COELHO — O aprendizado em cirurgia no metaverso

GONZALO VECINA — Em defesa das vacinas e da puericultura

 

>>

Baixe o livro O SABER PARA A SAÚDE INFANTIL – Os primeiros dez anos do Instituto PENSI

Comunicação PENSI

Comunicação PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Priscilla Santos Sardinha disse:

    Olá, meu nome é Priscilla Santos Sardinha, participei do Congresso semana passada do Insituto Pensi e gostaria de receber o certificado via email pois preciso apresentar no meu trabalho, desde já agradeço.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.